sexta-feira, 30 de agosto de 2013

O renascimento do parto




O renascimento do parto.... o renascimento de um conceito... o renascimento de um direito. É essa a proposta do filme O Renascimento do Parto", uma esperança ao ato de dar à luz, uma força para fazer as mulheres acordarem e lutarem pelos seus direitos.

O caminho natural das coisas é evoluir... não foi isso que aconteceu com o parto. Quando o parto saiu das casas e foi parar nos hospitais, as mulheres perderam seu direito de escolher como parir e deixaram-se enganar pela falsa facilidade de uma cesárea. Facilidade que beneficia médicos, hospitais, planos de saúde.

"Depois de milhões de anos nascendo segundo as leis da natureza, a humanidade entendeu que podia otimizar este processo."

Há milênios a mulher sabe parir. Seu corpo foi feito para isso. Não há porque duvidar. Mas desaprendemos, porque gerações de mulheres não entram mais em trabalho de parto. As mulheres não sabem mais parir. As mulheres têm medo do parto natural, mas não têm medo de um bisturi. Um bisturi que lhes corta a carne numa agressividade brutal e lhes arranca um feto que estava acolhido no ventre, esperando a hora certa chegar. As mulheres têm medo de parir porque são desencorajadas todos os dias, por todos os motivos, por todos os mitos, por todos que lhes cercam: pela televisão, pelos médicos e enfermeiros, pela prima da amiga da vizinha.






As mulheres são vítimas da desinformação, dos maus conselhos, da mentira, dos mitos. O parto virou uma indústria, com toda a sua mecânica. Tem hora de nascer, tem posição para nascer, tem uma série de procedimentos, de botões, de controles, de papéis e anotações.

E para piorar, o bebê quando nasce entra na linha industrial no mesmo ritmo em que já estava. Nos seus primeiros minutos de vida, ele não é acolhido pela mãe, acalentado, acalmado, amado. É chacoalhado, medido, pesado, carimbado, testado. Colocam-lhe colírio, aspiram-lhe a boca e as narinas, preenchem papéis, dão-lhe notas. Há milênios os bebês nascem com tudo isso que não lhes faz mal: com o vernix sobre a pele, com muco na boca, com os olhos melados, com o cordão interligado. Nunca houve tanta pressa em transformar os recém nascidos em bebês limpos e engomados. Lembro que levei mais de 5h para ter meus filhos em meus braços. Por quê? Para ficarem em um berçário sendo observados por enfermeiras mal formadas, que estão apenas cumprindo horas de trabalho, enquanto nosso filho faz sua estreia no mundo? Não é assim nos países desenvolvidos. Por que nós brasileiras aceitamos este atraso? Nos países desenvolvidos uma taxa aceitável de cesáreas gira em torno de 20%. No Brasil já ultrapassou os 50%.


VOCÊ SABIA?
O maldito colírio que pingam nos primeiros instantes de vida como uma prática rotineira é para "prevenir infecção apenas aos portadores de gonorreia!"
"O bebê ganha cerca de 100ml a mais de sangue pelo cordão umbilical até o terceiro minuto de vida, o que é um volume considerável para um bebê. Esse aporte sanguíneo previne anemia no primeiro ano de vida".
"A verdade é que toda mulher entra em trabalho de parto, mais cedo ou mais tarde. Ela só não vai entrar em trabalho de parto se a operarem antes disso".


Pra quê a pressa?

Lute pelo que é melhor para você. Lute pela chegada natural do seu bebê. Lute pelo seu direito de parir. Lute contra a indústria do parto, contra a pressa do médico, contra os mitos, contra a desinformação.
 
 
 
 
 
 


TRAILER DO FILME



Obs: quando terminar o filme, observe os créditos ao final. Tem uma lista enorme com o nome de um monte de gente. São os "benfeitores", pessoas que colaboraram financeiramente para que o filme fosse para o cinema.



 
 
Este filme deve ser assistido por todas as pessoas maiores de 12 anos que um dia serão pais ou mães ou que um dia poderão ser médicos. A educação e a informação deve começar desde cedo.
 
Assistam!

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

A formação de um bebê

Imagem Google


Quem duvidava que a formação de um bebê era divina?

A fecundação do espermatozóide em um óvulo e o desenvolvimento que se desencadeia dessa mistura são divinos! Desde o primeiro instante um pequeno coraçãozinho já bate e brilha, cheio de amor. E de um pequeno girino (que às vezes me parece um cavalo marinho), ele vai se transformando em gente! Gente que será como a gente! Não tem como não dizer que é divino.

O vídeo abaixo mostra a sequência linda desta transformação.




E o vídeo abaixo é bastante explicativo sobre o desenvolvimento semana a semana de uma gravidez.






Inspirem-se! A vida é linda!!

domingo, 25 de agosto de 2013

Criança segura: o que todas as mães querem!




Qual é uma das maiores preocupações das mães??? Que seu filho esteja seguro!

Hoje li um artigo muito bom no site Bebê.com sobre "Como ensinar noções de segurança para uma criança pequena". Sugiro que leiam também! Quanto mais conhecimento temos, melhor para nossas crianças.

Atenção! O texto alerta muito que "ensinar essas noções ao filho não tira a sua responsabilidade como pai de mantê-lo seguro". Então aproveite as dicas mas continue sempre alerta!!

Veja abaixo 4 tópicos que eu destaquei, mas o bom é ler o texto na íntegra:

  • "Oriente seu filho para gritar bem alto se um estranho tentar levá-lo à força. A melhor frase para usar é “Esse não é o meu pai, socorro!”. Ele deve fazer isso mesmo que o tal adulto peça para que fique quietinho".
  • "A partir de 3 anos de idade, dependendo do desenvolvimento de seu filho, ele já conseguirá decorar o número do telefone de casa. Treine bastante. Ele vai adorar e se sentir importante. Antes disso, crianças devem sair sempre com um cartãozinho com o nome e telefone dos pais".
  • "Até os 10 anos, o pequeno não tem noção de tempo nem de espaço e não desenvolveu a visão periférica. (...) só deve andar na rua acompanhada! E de mãos dadas com o adulto, que deve segurá-la de preferência pelo pulso – mais difícil de escorregar caso ela resolva sair correndo".
  • "Mostre também que cada brinquedo funciona de um jeito, e será legal se isso for respeitado. Por isso, tentar pular do escorrega ou escorregar no trepa-trepa pode doer e acabar com a brincadeira".

Indico também aos que têm Facebook a curtirem a Fanpage Criança Segura: www.facebook.com/ongcriancasegura, que sempre dá dicas e informações importantes para a prevenção de acidentes, através de imagens, vídeos, cartilhas e cursos online bem bacanas.

A CRIANÇA SEGURA é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, que tem como missão promover a prevenção de acidentes com crianças e adolescentes de até 14 anos.
 

Veja dicas de como reconhecer os principais perigos que é possível encontrar dentro de casa no Post "De olhos bem abertos".

Neste link aqui, você pode conferir dicas que podem ser adotadas no dia a dia para prevenir: AfogamentoArma de fogoAtropelamentoBicicleta, skate e patinsBrinquedoCarroCriança sozinha no carroCuidados com o bebêEnvenenamento e intoxicaçãoEsporte e recreaçãoParquinhoQuedaQueimaduraSufocação ou Engasgamento e Transporte escolar.


 


Outra dica é o livro infantil de autoria de Aline Angeli: "O Livro das Emergências – O Que Toda Criança Esperta Precisa Saber Sobre Segurança" que parece ser bem interessante e já está na minha listinha de compras.









Antes de terminar, um alerta de Alessandra François, coordenadora nacional da ONG Criança Segura: “A responsabilidade pela integridade física e emocional da criança é dos pais. É um grande erro transferir isso a ela”. Aos que acham que é preciso levar um choque para aprender a não colocar o dedo na tomada, que fique claro o absurdo e o risco desta "metodologia".

Espero que todos esses trabalhos de conscientização ajudem a minimizar os acidentes. E não esqueçam de que é obrigação dos pais proteger suas crianças!

sábado, 24 de agosto de 2013

Um filho...





Um filho... um texto lindíssimo circulou pela internet e não podia deixar de salvá-lo aqui no blog, pois é uma grande inspiração para as mães, às vezes cansadas e sempre apaixonadas, como nós!


"Um filho....
Ele é o nó no meu cabelo.
O esmalte descascado na minha unha,
As olheiras no meu rosto.
Ele é o brinquedo na gaveta de roupas,
O amassado nas páginas do meu livro,
O rasgado no meu caderno de anotações.
Ele é o melado no controle remoto,
O canal de televisão,
O filme no DVD....
Ele é o farelo no sofá,
As tesouras no alto.
Ele é o backup no computador,
O mouse escondido,
As cadeiras longe da janela.
Ele é a marca de mão nos móveis,
O embaçado nos vidros,
O desfiado nos tecidos.
Ele é o ventilador desligado,
A porta do banheiro fechada,
A gaveta da cômoda aberta.
Ele é o coque na minha cabeça,
O amarrotado nas roupas,
As frutas fora da fruteira,
Os panos de prato amarrando os armários.
Ele é o meu shampoo cheio de água,
A espuma no chão do banheiro,
O brinquedo dentro da privada.
Ele é o interruptor nas tomadas.
Ele é o peixe no aquário,
A árvore de natal,
Os "pisca-piscas" de todas as casas.
Ele é o círculo, o susto....
A primeira visão da lua no começo da noite....
O valor do trabalho, a vontade de aprender,
A minha força,
A minha fraqueza,
A minha riqueza.
Ele é o aperto no meu peito diante de uma escada,
A ausência de sono diante de uma febre.
Ele é o meu impulso, o meu reflexo, a minha velocidade.
O cheirinho no meu travesseiro,
O barulho,
A metade,
O azul.
Ele é o vazio triste no silêncio de dormir,
O meu sono leve durante a noite.
Ele é o meu ouvido aguçado enquanto durmo.
A minha pressa de levantar da cama,
A minha espera de bom dia.
Ele é o arrepio quando me chama,
A paz quando me abraça,
A emoção quando me olha.
Ele é meu cuidado, a minha fé,
O meu interesse pela vida,
A minha admiração pelas crianças,
O meu respeito pelas pessoas,
O meu amor por Deus.
É o meu ontem,
O meu hoje,
O meu amanhã.
Ele é a vontade,
A inspiração,
A poesia.
A lição, o dever.
Ele é a presença, a surpresa
A esperança.
A minha dedicação.
A minha oração.
A minha gratidão.
O meu amor mais puro e bonito.
A minha vida!"

(autor desconhecido)




Bem assim... A minha pressa pra voltar pra casa, o meu bom humor ao acordar... Tenho parede riscada, portas sujas, sofá cheio de farelo, muito barulho, muita zuada... mas tenho eles e com eles tenho muito! Muito amor e muita felicidade!


E que a grande inspiração deste texto fique também com vocês.



domingo, 18 de agosto de 2013

O que a Alemanha tem para encantar as mães




Em Julho deste ano estive na Alemanha com minha família e, com meu olhar de mãe, não poderia deixar de compartilhar com vocês tudo que me deixou encantada neste país desenvolvido, rico e onde não se vê pobreza. Não vou falar aqui de pontos turísticos nem de cidades a visitar. Posso deixar para outro post. Aqui quero falar dos detalhes que fazem a diferença, das ideias bacanas e do que oferecem de interessante para as mães com suas crianças.


Vamos começar?



1. Licença maternidade

Seis semanas antes da data prevista para o parto, as mulheres não podem mais trabalhar. Neste período, elas recebem um valor do plano de saúde (EUR 13,00 por dia) e o restante é complementado pela empresa. A licença maternidade dura até 8 semanas após o parto. Após esse período, se a mulher quiser, pode ficar sem trabalhar por 3 anos, sem poder ser demitida! Mas também não recebe salário. Ou pode optar também por trabalhar somente meio turno. Caso ela opte por não trabalhar, o governo concede um auxílio durante 10 meses (até o bebê fazer 1 ano) equivalente a 67% do salário líquido (até EUR 1.800,00 por mês). Além disso, existe também o "dinheiro da criança" (EUR 184,00 por mês e por filho)! É muito incentivo para o nascimento de mais alemãezinhos!!


Ah! Antes que eu me esqueça, a maioria das mulheres faz parto natural.



2. Babás não existem!

Na Alemanha tem outra coisa interessante, que vocês já devem saber: não há babás. E de fato não há, nem para os muito ricos! Também não há empregadas domésticas. Existem diaristas (na verdade "horistas", pois paga-se por horas de trabalho), para ajudar em uma faxina mais pesada. Aí há um facilitador para as donas de casa: os eletrodomésticos funcionam de verdade e por um preço bem mais baixo do que encontramos aqui. A grande maioria dos lares alemães possuem máquina de lavar pratos, por exemplo. E nela é possível colocar os pratos realmente sujos (porque aqui no Brasil as máquinas só lavam se os pratos já estiverem limpos! Creiam nesta redundância!)

Após a licença maternidade, as crianças ingressam nas creches. Para eventuais necessidades, pode-se chamar baby sitters, que normalmente são adolescentes filhas de vizinhos. Na falta delas, pode-se recorrer a baby sitters profissionais, que são meninas que fazem um curso específico e ficam em um "banco de dados" aguardando solicitação.



3. Nas creches e escolas

Na Alemanha, as crianças da Educação Infantil (pré-escola) vão a creches e não a escolas. As creches são próximas de casa (tem creches em todos os bairros) e funcionam pela manhã até o início da tarde. O valor pago pela creche é proporcional ao salário dos pais. Quem ganha mais paga mais, quem ganha menos paga menos. O pagamento é feito ao governo e não diretamente à creche. Desta forma, não cabe à creche saber se tem pai inadimplente ou não!

As creches recebem crianças até 5 anos, que compartilham o mesmo ambiente. Não há séries definidas. Mas tudo funciona muito bem. As educadoras (não são chamadas de professoras, pois a formação é diferente) orientam as atividades conforme a idade.

Como as creches são uma opção para deixar as crianças enquanto os pais trabalham, elas ficam fechadas por poucos dias no ano, para férias. Porém as crianças podem sair de férias durante outros períodos, que sejam convenientes para seus pais. Neste caso, no mural abaixo, as professoras colocam a foto da criança na coluna "Férias". Tem outra coluna que é para as crianças que estão doentes. E o espaço maior tem a foto de todas as crianças que estão frequentando as aulas. Assim fica fácil ter um controle pessoal e visual de onde as crianças estão.





A partir dos 6 anos, com a entrada no ensino fundamental, as crianças passam a frequentar escola pública. Sim, a grande maioria dos estudantes alemães vai para a escola pública, que é muito boa. Normalmente apenas crianças com dificuldade de aprendizagem frequentam escola particular.



4. Férias dos pais?

Outra coisa interessante é sobre as férias. São 4 férias! 2 semanas entre Natal e Réveillon, 2 semanas na Páscoa, 2 no outono e 6 no verão. Como as crianças possuem mais tempo de férias do que os pais podem tirar (que são 30 dias úteis), é muito comum, especialmente no verão quando as férias são mais longas, ver algumas delas acompanhando os pais no trabalho. Por exemplo, carteiros, motoristas de caminhão, funcionários de lojas e restaurantes e profissionais de empresas (que permitem em sua política), levam suas crianças para acompanhá-los no trabalho! Os profissionais alemães acreditam na importância disto para que os filhos saibam e entendam de onde vem o dinheiro dos pais que os sustenta e porque os pais não ficam em casa o dia todo. E as empresas alemãs, adeptas a esta política, acreditam que é melhor permitir as crianças por perto do que a possibilidade do funcionário faltar ao trabalho ou trabalhar preocupado!

Além das férias, crianças também vão ao trabalho dos pais quando estão doentes! Os alemães têm direito a 5 dias úteis de ausência no trabalho por ano. Esses dias podem ser usados quando os filhos estão doentes ou caso não seja necessário, no final do ano podem ser utilizados. Assim, muitos optam por levar os filhos doentes ao trabalho e guardar esses 5 dias para uma necessidade futura.



5. Trabalho adolescente

Na Alemanha, é muito comum adolescentes a partir de 14 anos começarem a trabalhar, fazendo "bicos" (que é tão pejorativo aqui no Brasil). Eles entregam jornal, cuidam de jardins, fazem baby sitt e tantas outras atividades, principalmente para vizinhos. Além de juntar um dinheirinho, os adolescentes começam a experimentar as responsabilidades da vida adulta. Nada da boa vida que nossos brasileirinhos têm até os 18 anos, com mesada do pai para ir às baladas...



6. Bollerwagen (carrinho de transporte)

Esse carrinho é um acessório que quase toda família alemã tem. Ao sair com os filhos, fica fácil transportá-los. São usados no Shopping, no mercado, no zoológico e, principalmente, nas praias. Pode ser usado também para colocar sacolas. Muita gente tem o seu próprio, mas muitos lugares oferecem para alugar. Conheci este carrinho no Zoológico de Colônia e fiquei encantada! Quem nunca passou sufoco no zoológico com as crianças cansadas de andar? Com este carrinho, as crianças podem fazer o trajeto na mordomia, se levantando para ver de perto os animais que mais lhes interessar. Não é muito pesado para puxar e a vantagem é que, além de ser melhor do que carregar as crianças, ainda é mais difícil perder aquelas que gostam de sair correndo por aí! Elas acham super divertido andar no carrinho! Detalhe: o carrinho é para uma ou duas crianças, mas testamos com três e deu certo (exceto nos momentos de brigas para ver quem ia ficar no meio ou nas pontas. rs).










7. Num passeio pelo IKEA quanta coisa eu vi!

Mas o que me encantou mesmo foi a loja IKEA, que possui detalhes especiais para encantar as mães. O IKEA é uma grande loja de móveis e utensílios domésticos, semelhante à Tok Stok ou à Etna, que têm aqui no Brasil. O primeiro deles é que fornece gratuitamente o tal carrinho que mostrei lá em cima, para transportar as crianças. Outra ideia fantástica é este quiosque abaixo. Sabem como ele funciona? Por fora, ele é uma mesa circular com cadeiras, no meio da praça de alimentação. Dentro desta área é um espaço para as crianças brincarem. Ou seja, enquanto os pais almoçam ou fazem um lanche, estão olhando as crianças brincando em sua frente!!

 

 
 
 

Ainda no IKEA, na área do restaurante eles possuem um armário com talheres, forno de microondas e liquidificador, para atender às mães que precisam esquentar ou fazer uma papinha de bebê. Isso dentro de um restaurante!! Nunca vi tamanha consideração com as mães :)

 
Outro detalhe que achei bem bacana é esse "porta-bandejas". Pense numa mãe com dois filhos! Como ela faz 3 pratos e leva até a mesa?? Esta é a solução! Um carrinho com prateleiras para se colocar as bandejas e levar até a mesa. Fantástico!!
 


 
Mais um detalhe que achei interessante no restaurante é essa esteira rolante, onde colocamos as bandejas sujas e elas são recolhidas lá dentro para limpeza. Não preciso nem dizer o quanto as crianças amaram e quanto tempo ficaram assistindo... rs

 
No banheiro, claro, não podia faltar atenção às mães. Um trocador singelo mas que atende muito bem às nossas necessidades.


Agora prestem atenção a este pequeno detalhe no corrimão da escada! Repararam que tem dois corrimãos?? Sim, o mais alto para os adultos e o menor para as crianças!!
 




Tanta atenção às mães e seus filhos devem ter sido influenciadas pela pesquisa que a loja fez há uns anos atrás, através da qual constatou que uma grande porcentagem das crianças alemãs tinham sido concebidas em camas da própria loja. Nada mais justo do que retribuir à altura!

 
 
 

 
8. Estacionamento
 
Aqui no Brasil existem vagas especiais para deficientes, já existem vagas para idosos e, em alguns lugares, já existe vaga para gestantes. Mas na Alemanha existem vagas para famílias! São vagas mais amplas, próprias para quem tem crianças e precisa abrir mais a porta do carro para colocá-las nas cadeirinhas e ajustar o cinto! Legal, não é??
 
 
 
 
9. Bicicleta alemã
 
Na Alemanha, crianças de 2 a 5 anos não usam bicicleta de rodinhas... também não usam bicicleta com pedal! Usam essa aí debaixo! Uma bicicleta de madeira sem pedal e sem rodinhas, que anda com os impulsos dos pés das crianças. Toda criança alemã tem essa bicicleta e passa desta para a bicicleta convencional sem precisar da etapa das rodinhas (tira uma, tira as duas e os pais doidos correndo atrás para a criança não cair!). Com esse modelo, as crianças aprendem a se equilibrar desde cedo. A lógica é simples: a criança tem que impulsionar com os pés para fazer a bicicleta andar. Aos poucos, com impulsos mais fortes, a criança começará a se equilibrar em duas rodas, tendo a segurança de pisar no chão na hora em que precisar. Veja vídeo e entenda mais sobre como funciona aqui
 
 
 
 
 
Já é possível adquirir esta bicicleta aqui no Brasil na Loja Superbacana.
 
 
10. Florestinhas
 
 
Na história de Chapeuzinho Vermelho, as crianças devem ficar imaginando como Chapeuzinho poderia atravessar uma floresta para chegar à casa da avó! Sim, porque floresta não é uma realidade aqui no Brasil. Mas na Alemanha, é uma realidade encantadora!! Dentro das cidades há florestas de verdade, onde as famílias costumam frequentar e levar suas crianças. É uma realidade estranha para a gente, pois se fosse aqui, seriam muito perigosas, teriam assaltantes, guardadores de carro, vendedores ambulantes, sujeira por toda a parte e, infelizmente, muita gente mal educada fazendo necessidades fisiológicas "no meio do mato". Mas lá não! As florestas são lindas, bem cuidadas, agradáveis. Dá para fazer piquenique, andar de bicicleta ou somente fazer uma caminhada e contemplar a natureza. Tem muitos parquinhos também.
 
 
 
 
 
E aí? Se encantaram também?? É muito bom viajar e trazer na bagagem as coisas boas que encontramos lá fora. E vocês também já viram coisas legais por aí? Compartilhem aqui!
 
 

 

sábado, 10 de agosto de 2013

Melhor não tê-los? Vinícius de Moraes para os pais

"Melhor não tê-los?
Mas se não os temos
Como sabê-los?
...E como os queremos!"

Neste dia dos pais, um poema de Vinícius de Moraes para os pais que já se apaixonaram ou para os futuros pais, que vão se apaixonar.



Enjoadinho
(Vinícius de Moraes)


"Filhos...  Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-lo?
Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como os queremos!
Banho de mar
Diz que é um porrete...
Cônjuge voa
Transpõe o espaço
Engole água
Fica salgada
Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica!
Resultado: filho.
E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.
Filhos?  Filhos
Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o!
Filhos são o demo
Melhor não tê-los...
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce
Na sua boca!
Chupam gilete
Bebem shampoo
Ateiam fogo
No quarteirão
Porém, que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!"





Como os queremos, não é?

Feliz Dia para todos os Pais!

 

sábado, 3 de agosto de 2013

Existe filho predileto?

Imagem Google


Umas das coisas que mais podem perturbar uma mãe são as insistências das pessoas em tentar adivinhar qual o filho predileto. Quem é mãe de mais de um sabe que é dureza dar atenção e cuidados múltiplus. E sabe também que é impossível que façamos tudo igual. Sim, porque cada filho tem as suas necessidades, sua personalidade e nasceu em um momento diferente.

Eu sempre pensava em como justificar que não existe essa tal de preferência, acredito que para a maioria das mães. Foi aí que me surgiu esse texto no Facebook e que caiu como uma luva para que eu pudesse ter argumentos para explicar sobre o mito da predileção. Claro que eu não poderia deixar de compartilhar aqui no blog um texto tão sensível e que tenho certeza que vocês, mães, irão se identificar. Vamos a ele!


"FILHO PREDILETO
Certa vez perguntaram a uma mãe qual era seu filho preferido,
aquele que ela mais amava.
E ela, deixando entrever um sorriso, respondeu:
"Nada é mais volúvel que um coração de mãe.
E, como mãe, lhe respondo: o filho dileto...,
aquele a quem me dedico de corpo e alma...
É o meu filho doente, até que sare.
O que partiu, até que volte.
O que está cansado, até que descanse.
O que está com fome, até que se alimente.
O que está com sede, até que beba.
O que estuda, até que aprenda.
O que está com frio, até que se agasalhe.
O que não trabalha, até que se empregue.
O que namora, até que se case.
O que casa, até que conviva.
O que é pai, até que os crie.
O que prometeu, até que se cumpra.
O que deve, até que pague.
O que chora, até que cale.

E já com o semblante bem distante daquele sorriso, completou:
O que já me deixou...
...até que o reencontre..."
(Erma Bombeck)


Este texto mostra a verdadeira essência de uma mãe: ser incansável, amar incondicionalmente e se dedicar aos filhos com infinita devoção. Bem que diz o provérbio que Deus criou as mães porque não poderia estar em todos os lugares... E, apesar de acreditar que Deus está em todos os lugares sim, sei que ele criou as mães para ajudá-lo nessa tarefa tão especial.


Acho que essa imagem representa bem tudo que foi dito!