quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Enganação, não!




Essa é a mais pura verdade! Somos enganadas! O tempo todo e nem percebemos. Mas precisamos tomar consciência disso para fugir das ciladas!

Quer saber??

1   O Ninho Fases não é leite!

Acredite!! É um composto lácteo que ainda por cima contém açúcar!!

Leia matéria da Folha de São Paulo com o sugestivo título "Procon investiga composto lácteo da Nestlé que tem 'cara' de leite e deixa pais confusos". E todas nós acreditamos e damos aos nossos filhos achando ser a melhor opção, cheia de nutrientes específicos para a idade deles... Ba-le-la! Puro marketing para vender mais!

Marketing inclusive que promove anualmente um curso de atualização para pediatras. E onde eles certamente tratam de convencer os pediatras a indicar o Ninho Fases e outros produtos!!

Me envergonho até de ter escrito um post há um ano atrás - O Leite Ninho e suas fases - falando que eu só trocava a fase do leite no dia do aniversário do meu filho, etc. Hoje, tenho uma opinião completamente diferente!




2   Culpa, sim!!!

Outra enganação é a Campanha da Revista Pais & Filhos: Culpa, não!



"Então nasce o bebê e com ele nasce a mãe e, com ela, nasce a culpa. “Não consegui amamentar”, “Dou papinha”, “Não tenho tempo livre para meus filhos”... Este desejo-irracional-de-busca-da-perfeição-impossível parece fazer parte do conceito de maternidade. “Mãe é tudo”, “Mãe é mãe”, “Mãe sabe tudo”. Sim, ser mãe é maravilhoso, mas como sabemos, não existe perfeição, não existe certo absoluto, não existe só uma maneira de fazer as coisas. Por isso criamos a campanha Culpa, Não!". (Revista Pais & Filhos)

Essa campanha foi uma ideia muito inteligente, sem dúvida, e que provocou identificação imediata de muitas mães, pois tocaram em um ponto fraco: a culpa que sempre carregamos. Até aí, tudo bem! Só que para aliviar a culpa das mães, a Revista praticamente sugere que elas "chutem o balde"!! Sim, a Revista fala que não tem problema se não conseguir amamentar, que deve dar papinha industrializada no dia-a-dia, que pode fazer as vontades dos filhos na birra, dentre ouras coisas mais.

"Você também não amamentou? Culpa, Não!" É o que a Revista diz :(

O que é isso? Uma comemoração?? Não, não é obrigatório amamentar, mas acho que o papel da Revista é estimular e não desestimular! Dizer que tá tudo bem para quem nem tentar!! A Revista esquece seu papel de formadora de opinião.

Mas o grande problema é que por trás destes "maravilhosos" conselhos, estão escondidos os anunciantes, como aconteceu na matéria "É papinha, sim", da mesma campanha, na qual a Revista induz as mães a comprar as papinhas para uso diário!! O Movimento Infância Livre de Consumismo publicou uma carta aberta à Revista Pais & Filhos lamentando a publicidade disfarçada de matéria jornalística.

"Foi com pesar e preocupação que lemos a matéria “É papinha, sim”, no site da Revista Pais & Filhos. Revestida de uma campanha para abolir a culpa materna, vocês colocam no ar uma campanha da papinha industrializada – que, “coincidentemente”, no Brasil, é monopólio de uma única empresa, tradicional e transnacional – e passam a matéria toda induzindo as mães a darem a seus bebês, “para se livrarem da culpa”. Claro, assim não precisa nem citar a marca, porque só tem uma e todo mundo, até quem não consome, já conhece. Mas vocês, sim, precisam informar ao leitor que isso é anúncio".
Leiam carta na íntegra!

Depois da campanha Culpa, não!, a Revista deveria lançar a campanha "Arrependimento, não...".




3   Para tristeza dos pais...


... o Mc Lanche Feliz!! Não sei por que essa história toda de enganação me faz lembrar o Mc Donald's! Ô, que raiva daqueles brinquedos fajutos que enfeitiçam nossas crianças!! Minha família não tem costume de comer fast-food, mas de vez em quando no shopping cedemos à pressão dos pequenos só para eles ganharam os brindes. Crianças pequenas conhecem a Mc Donald's e pedem para ir lá, tornando-se consumidoras precoces.

É bem por aí...

4   A Revista Crescer e suas crianças brancas


Não poderia deixar de citar a polêmica que aconteceu há uns 2 meses atrás (e certamente perdura até hoje...) quando uma jornalista do Blog "Não era amor, era Cilada" percebeu que a Revista Crescer só trazia crianças brancas, mais precisamente de padrão europeu, em suas capas. Enviou carta à redação e, depois de muito tempo sem resposta, a Revista respondeu que era coincidência. Mas ignorou a polêmica que se formou. É essa informação que queremos consumir?? Eu também perdi o gosto pela revista...

Comecem a perceber as capas da Revista e verão que só têm crianças brancas, de preferência de olhos claros todos os meses...

Olha essa ruivinha!!!


"E foi assim que eu abri a revista Crescer pela primeira vez. Com curiosidade de mãe, de jornalista e de revisteira. Eis que lá pelo 3º mês de acompanhamento eu me perguntei: isso é revista de europeu? cadê as crianças negras?" (Blog Não era amor, era Cilada)
Leia post na íntegra!

O mundo mudou! Ou deveria ter mudado!


5   Lorotas obstétricas



Por fim, as mulheres são enganadas por muitos médicos!

De Memezinho da Mamãe

Na Fanpage Memezinho da Mamãe você encontra outras tiras bem-humoradas para mães. Curta!



-----------------------------------------------------------------------------------------

Pois é, caros leitores, vamos ficar mais atentos às informações que consumimos por aí! Verdade, sim! Enganação, não!


29 comentários:

  1. MUUUUUUITO bom!! Divulguei nos meus cinco grupos do Facebook que falam sobre esses assuntos. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre dei Ninho fases para o meu filho... E com certeza, ele é uma criança forte pra idade dele. A pediatra disse que nem precisava. Mas sempre uso o Ninho misturado com Sustagen de chocolate... A Nestlé errou, mas não vou deixar de dar o Fases para o meu filho... Faz muito bem a ele.

      Excluir
  2. OLáaa.... muito bom o post, sobre a campanha Culpa Não! eu não tinha visto da form q vc citou, meu filho está com 1 ano e 4 meses, e estou sendo obrigada a tirar o peito dele,(mordidas, e mastite estão acabando comigo) mas estou muito chateada, não era esse meus planos....acho que de nenhuma mãe é, então ficamos com culpa sim, e não acho tudo bem tirar o peito de uma criança, pior se fosse menor e dar mamadeira, pq tem mãe q opta por isso, por vários motivos....
    Sobre a Revista Crescer, bom, acho que ta faltando mesmo matérias que divulguem isso, inclusive eu cheguei a comentar na Revista Claudia bebê, que só sai de tantos em tantos meses, não sei seja é mensal, só crianças branquinhas de olhos claros...e eles escolhem sim, a que eles acreditam que irá ficar mais bonita a capa.
    Do MC o que falar? vc paga um preço absurdo por um kit, a comida todos sabem que é um veneeeeno, e o brinquedo? aff mil vezes ir em uma loja e comprar.

    Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  3. Ótima reflexão! É sempre bom podermos "pensar"no que consumimos.

    ResponderExcluir
  4. Adorei o teu post...vamos por partes,eu nunca dei ninho fases p/ minha filha,então essa enganação não levei p/ casa,quero deixar claro que minha mamou quase que exclusi vo até 1 ano,continuou mamando entre as refeições e a noite até2 anos e 7 meses.As matérias que vc citou da papinha e das crianças eu já tinha lido e concordo,a papinha eu comprei uma vez em viagem,filha detestou,Mac nós não gostamos e já encinamos p/ ela que isso é ruim,e no último já conheço o Memezinho da mamãe.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Silma, obrigada pelos seus comentários. Beijos.

      Excluir
  5. esqueci de falar sobre o "Culpa Não",achei bem interressante a analisa que vc fez,eu ainda não tinha visto a coisa dessa forma,e como vc mesma falou muitas de nós abraçou esse tema com tudo...valeu,vc é ótima.
    bjs.

    ResponderExcluir
  6. Primeiro, queria te dizer que o post ficou perfeito, segundo, queria lhe parabenizar pela coragem de escrever sobre assuntos tão polêmicos. Confesso que ao terminar de ler fiquei triste e decepcionada pela forma que somos manipuladas e enganadas. Essas empresas fazem qualquer coisa para nos deixar reféns de suas marcas e produtos. Triste realidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga, não fique triste não! Mais tristes ficarão eles porque deixaremos de comprar!! Beijos.

      Excluir
  7. Oi...só voltei porque esqueci de colocar.
    #amigacomenta...hehehehehe

    ResponderExcluir
  8. Acho assim, não dá pra ser super radical nem pra passar a mão em coisas q estão erradas!
    Vamos lá:
    Sobre o Ninho - qdo meu pediatra me disse q eu podia começar a oferecer o leite integral ao meu filho ele me disse que o Ninho fases não era leite, q eu preferisse o ninho normal ou Nan, eu fui informada, fui avisada, dei o "composto" msm assim, meu filho teve diarréia, parei, a vida segue, sei q tem gente q não consegue ter o msm acesso a informação, a bons médicos e acho então que a culpa da Nestlé está em não fazer uma explicação mais adequada.

    Sobre a campanha Culpa, não! - Eu participei da campanha, fui lá na redação conversar sobre birra e por isso, a minha visão é muito diferente desta, eu percebo que a intenção da revista é trazer a luz estes temas mais polemicos pra tentar libertar as mães de tantos medos e culpas que, ás vezes, são infundadas, lógico que tem mãe q não amamenta pq tá preocupada com a sua beleza, que dá papinha pq tem preguiça pura de cozinhar mas, tb tem muitas outras mães que não são assim e se sentem mal por causa das primeiras mas, no frigir dos ovos, quem somos nós para julgar esta ou outra mãe? O erro aqui, eu acho, no caso das papinhas, foi a falta de dizer que a matéria era patrocinada.

    Sobre as crianças brancas- Concordo, aqui o caso não tem explicação, este padrão Europeu precisa ser abolido, até pq a gente queria revistas, comerciais, novelas e tudo mais que tivessem mais a nossa cara, né?

    Sobre médicos e partos - eu acredito sim em médicos pilantras mas, tb acredito em direito de escolha! Muitas mães fazem cesárea pq não tiveram acesso a informação, pq foram enganadas pelos médicos, sim, acontece! Mas, muitas mães fazem cesárea pq querem, pq preferem, pq assumem os riscos e tomam esta decisão e estas tb precisam ser respeitadas e não apedrejadas, eu sou uma delas! Sem medo, sem culpa e sem vergonha!

    Ufa, desculpe fazer um comentário tão longo! rs Acho q a gente precisa sim discutir sempre, sobre tudo, qto mais diálogo melhor mas, sempre, sempre, sempre nos respeitarmos, como mães, como mulheres, como seres humanos que somos passíveis de erros e em busca dos acertos e da felicidade, certo?

    Bjo!

    Loreta #amigacomenta;)
    @bagagemdemae

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, a discussão é super válida, Loreta. Afinal, pensamos sempre no melhor, queremos ser respeitadas e queremos respeitar também.
      Obrigada pela sua contribuição.
      Beijos.

      Excluir
  9. Assim, concordo muito com a Loreta... e mais... mesmo que nao sejamos claramente informadas de todas as coisas, cabe a nós sim, ir atras de mais informaçoes, perguntar, fuçar na internet... ok... tem maes que nao tem as mesmas facilidades... mas pergunta a um e a outro, começa a pensar com a propria cabeça, lê os rotulos... as campanhas publicitarias estao ai pra mostrar o lado bonito mesmo! Vivemos no capitalismo onde as empresas so querem ganhar! Quem espera que elas sejam claras e boazinhas com os consumidores? Nos temos é que abrir o olho por nos mesmas. Mas parabens por divulgar! É isso mesmo, temos que trocar as informacoes que sabemos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Heloísa, concordo que temos que abrir os olhos, mas acho também que as empresas que não pensam nos consumidores e não jogam limpo saem perdendo. Obrigada pela visita. Beijos.

      Excluir
  10. Jamile, não tem o que discutir, vc está certissima. Parabéns!
    Tamy #amigacomenta

    ResponderExcluir
  11. Jamile, adoro a forma que vocês escreve seus posts, sempre venho aqui e leio, às vezes não comento pq atualmente está mais fácil eu ler pelo celular e muitas vezes é dificil postas comentário por ele.
    Clarinha toma muito meu tempo, pois ela mama direto no peito.

    Quando vi essa campanha Culpa Não sobre a amamentação achei meio "pesada", pois pelo que sei e pesquisei, existem várias formas da mulher tentar e insistir na amamentação que o leite desce, aparece e supre as necessidades do bebê.
    Eu mesma tive dificuldades no começo, mas procurei ajuda no banco de leite e aqui sempre foi amamentação exclusiva em livre demanda.

    Os bebês com padrão europeu chega a ser ridículo, qualquer tipo de padrão é ridículo. Hoje em dia crianças, pais sofrem muito com o tal do bullyng e devemos fugir deste conceito de beleza: magro, loiro, claro.

    Já a alimentação, eu não gosto de pensar que é normal crianças, adolescentes e adultos só consumirem os alimentos prontos, fast foods e afins.
    Aqui em casa, como já sabia que o ritmo ia mudar e seria punk, me organizei, comprei um freezer e fiz comidas caseiras e congelei, assim só cozinho as verduras, arroz ou macarrão no dia, o resto deixei congelado e vou repondo conforme acaba.

    Tudo é questão de organização, lógico que devemos usar da praticidade que foi inventada, mas as praticidades que são verdadeiras e não as nocivas né?

    Beijos
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paola, que alegria ler seu comentário! Obrigada!!
      Beijos.

      Excluir
  12. Olá Jamile! Obrigada por colocar seu lado da moeda nestas situações citadas. Creio que seu objetivo não foi convencer ninguém disso ou daquilo, mas sim aguçar o senso crítico de cada um, para que a gente não engula qualquer coisa sem uma análise mais profunda, já que há muito capitalismo, busca desenfreada pelo lucro em tudo que consumimos e vemos por ai. Valeu muito para refletir! Parabéns!
    Bj Flávia #amigacomenta

    ResponderExcluir
  13. Quanta coisa, não rs.
    A forma de comunicação mudou muito depois das redes sociais, nós falamos mais, lemos mais, temos mais acesso. Além disso, as empresas não estão acostumadas (ainda) a falar direto com o consumidor. Por outro lado, temos um filtro maior. Aquilo que não me serve eu passo. Por isso, minhas causas são outras. Uma revista não tem poder de fazer uma mãe trocar uma comida por outra. Teria, para conseguir esse resultado, que fazer uma lavagem cerebral em um país onde frutas e verduras estão sempre a mão (e isso envolve tanto $ que fica inviável). A campanha "culpa não" pra mim é super ok. Jamais leria isso como "não seja responsável", pq não existe a possibilidade de uma mãe saudável mentalmente (dentro da normalidade aceitável dos padrões médicos) acatar isso como uma ordem. Sobre os partos as mães podem falar e falar. Mas, a postura para haver mudança é outra. Já leu o site do ministério da saúde? Já viu quantos artigos a favor do parto normal e da amamentação existem? Estamos numa fase confusa, nebulosa e estamos aparando as arestas. Existe mal treinamento, cultura e as coisas tendem a mudar, desde que haja de todas as partes (veículos, mães, filhos etc) respeito pela figura da mãe. O caminho é longo, mas a gente chega lá!
    Bjs
    Fabi
    Mulher e Mãe
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Fabi, você tem razão no que diz, porém eu acho que as empresas e meios de comunicação, apesar de não terem o poder de determinar a decisão dos consumidores, têm o pode de influenciar mesmo que discretamente. E no mundo de hoje, eles têm que pensar muito mais nas consequências.
      Obrigada pelos seus comentários.
      Beijos.

      Excluir
  14. Ah flor. Tem um certo poder sim. Tem que ter responsabilidade, rever conceitos. Estamos todos no mesmo barco e num momento histórico da maternidade. Colheremos frutos nas próximas gerações :))) Bjs lindona

    ResponderExcluir
  15. Gostei do post. Sobre a revista Crescer, a coincidência continua até hoje. Terminei de ler a matéria e corri no App da revista pra conferir... Sim, eu sou assinante da revista... :-/ Triste constatação. De maio de 2012 até março de 2015, só tem um bebê negro, de lado, dormindo, sem sequer mostrar seu rosto direito, uma oriental fofa e um menino lindo que me parece hispânico, já que a pele dele é de um tom castanho azeitonado. Enfim... Triste perceber que para ser capa de revista, mesmo as relativas às crianças, o bonito é o loiro, ruivo, branco, com olhos claros e cabelo liso...

    ResponderExcluir
  16. Achei nesse blog informações super interessantes.

    Vamos a minha opinião.

    Tive um gestação super saudável. Segui a dieta a risca e pratiquei muitas atividades físicas, além de beber muita água.

    Engordei somente 7 quilos.

    Minha bebê nasceu muito saudável, graças a Deus!!

    Porém, minha produção de leite era baixa e a minha bebê rejeitou o peito. Hoje, luto para alimenta-lá.
    Ela largou o peito com 1 mês de vida! Ela não mama direito e pelo que vimos, ela não curte leite. Sim! Ela tem paladar!

    Muitas mães passam por isso. E sim! Carregamos uma culpa absurda, mesmo não querendo. É uma frustração absurda.

    Existem crianças que mamam no peito e são frágeis de saúde ( conheço várias), existem outras que mamam fórmulas e são super saudades, como a minha mais velhas. Como existem outras que não são.

    A amamentação é importante. Sim! Mas, não é tudo nessa vida. Caso contrário, não haveria tantas crianças vivas e saudáveis nesse mundo!

    As vezes me sinto sufocada com esse assunto!

    Quem pode amamentar, otimo!

    Mas não critique quem não pode! Cada uma sabe o melhor pra os seus filhos.

    ResponderExcluir