quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A difícil escolha do nome


Eis uma das decisões mais difíceis: que nome dar ao próprio filho! Nome que será carregado por toda a vida. Não tem segunda chance, não dá para mudar de ideia.

Tem gente que desde sempre sonha com o nome que dará aos futuros filhos. Tem gente que gosta de aproveitar para homenagear os pais ou avós ou até algum ídolo. Tem gente que gosta de nomes comuns. Tem gente que gosta de nomes diferentes. Tem gente que gosta de nomes da moda. Tem gente que gosta de copiar de novela, de artistas ou até do vizinho. Tem gente que gosta de nomes grandes, nomes compostos ou apelidos. Tem gente que gosta de nome importado. Tem gente que gosta de nomes tradicionais. Tem gente que gosta de nome bíblico.

E assim, com todas essas opções, realmente não há de ser tarefa fácil. Para completar o grau de dificuldade, tem que agradar no mínimo ao pai e à mãe. E não pode desagradar os avós, tias e amigos. Cada um vai apresentar uma desculpa para não escolher determinado nome...

Pense em todas as possibilidades:
- Você quer que seu filho seja o primeiro ou último da chamada?
- Você quer poder chamá-lo de algum apelido?
- Você quer que ele aprenda a escrever seu nome facilmente?
- Você quer que ele passe a vida toda soletrando seu nome porque ninguém acerta escrever de primeira?
- Você quer nome com significado?
- Você quer que seu filho seja chamado pelo sobrenome porque tem vários colegas com o mesmo nome?

E ainda por cima não pode ter nome repetido na família, você não pode roubar o nome que sua prima sempre sonhou em colocar no filho dela (que ainda está longe de nascer), não pode ter duplo sentido (não é, Danielle Winits?) e, pra completar, tem que soar bem com o sobrenome e estar de acordo com a numerologia. Ufa!!

Pensa que terminou? Pra fechar essa árdua tarefa, ainda torcemos para que o contemplado goste do seu próprio nome.

Boa sorte pra vocês!

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Pequenos esportistas


Toda mãe quer oferecer ao seu filho múltiplas oportunidades. Toda mãe quer  aproveitar a infância para seu filho desenvolver múltiplas habilidades.

Até aí nenhum mal, contanto que não haja exagero e que seja feito de acordo com os interesses da criança. Forçar não tem efeito nenhum. Mas vale a pena estimular, convencer e qualquer outra técnica para despertar seu interesse.

Resolvida essa questão, o que vamos oferecer aos nossos filhos?

Em primeiro lugar, natação! E não se discute! Além de ser um esporte, o principal é a questão da segurança. Criança hoje em dia, muito mais do que antigamente, precisa saber nadar!

Para os meninos, além da natação, temos mais 2 opções: o futebol e uma luta. O futebol é importantíssimo para os meninos, pois é a principal maneira de socialização e integração deles. Muito além de ser esporte, é uma grande brincadeira, que os meninos gostam de fazer em qualquer ocasião. Meninos que não jogam futebol, muitas vezes ficam desenturmados porque quando a galera se junta quer jogar bola. Então, mesmo que seu filho não sonhe em ser jogador profissional (como muita meninada sonha), ele deve ser incentivado pelo menos a participar dos jogos como estímulo a essa integração.

A outra opção é a luta: judô, karatê ou capoeira. Seja ela qual for, meninos precisam aprender a lutar (ai, meu Deus, quantas coisas eles precisam, não é? Por isso ficam com a agenda mais cheia do que a dos pais!!). Bom, meninos precisam aprender a lutar, não a brigar. Por isso as lutas são importantes, porque (até onde eu saiba) elas incentivam a disciplina, o respeito ao outro, além de técnicas de defesa. E nesse mundo de bullying, a luta pode ajudar também na auto-estima dos nossos filhos. É importante ou não é?

Com relação às meninas, as atividades mais comuns são o ballet e a ginástica rítmica. Essas atividades são importantíssimas tanto para o desenvolvimento físico, quanto para a formação de amizades. Meninas também podem escolher lutas, é bem legal, porém o universo ainda é masculino. Então no quesito "amizades", é melhor deixá-las com a turminha do ballet ou ginástica.

A agenda ficou cheia? Tem muita atividade extra-curricular para seu filho fazer? Ele tem muito tempo pela frente também! Escolha "a" ou "as" melhores opções durante o ano (tanto financeiramente quanto logisticamente) e aproveite as férias para ele experimentar coisas novas! Mas não deixe as oportunidades passarem. Energia de criança é pra se gastar!


quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Tirar ou não tirar?



Sim, um dia chega a hora de tomar essa decisão: tirar a fralda do bebê! Existem pais que nem se lembram que essa hora chega, muitas vezes por pura comodidade de não ter que correr atrás de banheiro ou precisar se preocupar com isso.

Realmente não é fácil, mas você não quer um meninão ou uma mocinha de fraldas por aí, enquanto os amiguinhos já desfilam sem ela, não é?

O dia que deve ser iniciado o desfralde é que ninguém sabe, porque não existe uma data para isso. É no dia em que você quiser começar, sem compromisso. A criança começa a ter capacidade de controle das suas necessidades básicas a partir dos 2 anos, porém em casa eu acho que não custa nada deixar a criança sem fralda antes disso, seja simplesmente para "descansar" a pele do bebê, seja para "descansar" o bolso dos pais. Ou seja, a partir de 1 ano, 1 ano e meio, a fralda descartável já pode ser retirada quando estiver em casa. Um xixizinho aqui, outro ali, mais outro acolá... não tem problema! Nessa idade é quase impossível o bebê se controlar. De vez em quando você o coloca sentado no peniquinho, mas tenha certeza de que muitos xixis vão escapar!

Aí vai uma dica: deixe o bebê de cueca ou calcinha, dobre uma fralda de pano e coloque dentro, pois ela irá absorver um eventual xixi. Desta forma, não corre o risco de molhar o chão e o bebê escorregar.

Quando o bebê tiver com 2 anos, 2 anos e meio, você verá que ele já tem mais consciência e começará a pedir para ir ao peniquinho. De qualquer forma, você continua levando de vez em quando, sem aguardar que ele peça. Comemore quando ele fizer no lugar certo e não brigue quando escapar! Isso é natural.

A partir daí, é hora de tirar a fralda na escola também! Utilize a fralda descartável apenas para dormir (o desfralde noturno demora mais) e para sair (este desfralde fica para a etapa seguinte, quando ele estiver controlado em casa e na escola).




Outra dica: utilize as fraldas Pull Ups, da Huggies. Elas são próprias para desfralde, porque não são presas com os adesivos laterais. Elas têm elástico e com isso o bebê veste como se fosse uma cueca/ calcinha. Desta forma, pode abaixar e vestir novamente sem problemas. Elas são mais caras do que as normais, por isso reserve apenas para as saídas!







Pois é.... essa é uma fase muito gostosa, de conquistas do seu filho, de amadurecimento. Permita que ele cresça, incentivando o desfralde! É uma fase complicada também, mas passa... e daqui a uns anos vai fazer falta!


segunda-feira, 19 de setembro de 2011

XSPB 11


Essa sigla pode parecer estranha para muita gente, mas não para quem é mãe. O XSPB ou Xuxa Só para Baixinhos é aguardado com ansiedade a cada ano. Pois a nova edição acabou de chegar!

Composto por clipes musicais cheios de coreografias, o XSPB agrada mais aos bem baixinhos. Mas o DVD é feito com muito capricho e qualidade.

O tema desta 11a. edição não poderia ser mais apropriado: sustentabilidade. Além de estar na moda, é um tema importantíssimo para nossos filhos aprenderem desde cedo. Xuxa dá a volta ao mundo em sua Nave X e visita diversos países, mostrando o que cada um deles faz pela sustentabilidade. Os países são: México, Israel, Jamaica, Japão, França, Angola, Portugal, EUA, Itália, África do Sul e Brasil. Ela canta inclusive em cada idioma. Vai ser divertido quando, dentro de pouco tempo, nossos filhos estiverem cantando em outras línguas também!

Entre uma música e outra, os personagens dão mensagens para a criançada saber preservar o planeta. Iniciativa super bacana! Vejam abaixo trecho de uma das músicas que fala sobre esse tema tão importante:

"A amizade de vocês me ensinou uma lição
Jogar fora demais não dá
Reciclar é solução
Viver bem do que se tem
Proteger nosso futuro e ser exemplo pra alguém"
Outra coisa legal do DVD é que tem 2 clipes em 3D. Por isso, inclui 2 óculos (daqueles que um lado é vermelho e o outro azul, de plástico) - que são uma atração à parte. Não preciso nem dizer o quanto as crianças adoram!

Quem quiser pode aproveitar o Dia das Crianças que está vindo aí para presentear filhos, sobrinhos ou outras crianças (não à toa o lançamento foi perto deste dia...). Bom divertimento!

Dêem uma olhadinha abaixo no vídeo dos bastidores das gravações, com Xuxa fazendo um resumo da edição.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Dia do Cliente: pequeno grande consumidor


Dia 15 de Setembro é dia do cliente e de falar do maior de todos os clientes, ou melhor, do menor: a criança.

Sim, as crianças são as grandes consumidoras da atualidade, porque elas querem ganhar tudo e os pais também querem lhes dar tudo. Combinação perfeita (apesar de que querer não é poder!!:)

O resultado desta equação é simples e direto. E quem quiser vender bem deverá ficar atento a esses clientes mirins, que, além de tudo, são exigentes. E mais ainda são suas mães!

Eu selecionei algumas situações pelas quais passamos nós, clientes-mães, com nossos clientes-filhos.

Situação 1: Restaurantes



Por que a maioria dos restaurantes não está preparada para receber crianças? A única coisa que oferecem é o cadeirão. Nem talher infantil possuem (meus filhos já comeram até com o talher que serve comida porque não tinham outro).

Às vezes nem copos plásticos possuem. Se formos ao banheiro, a maioria não oferece nem um simples trocador. Qual a sugestão? Trocar a fralda na mesa?

Saindo das necessidades básicas, os restaurantes também deveriam pensar no entretenimento infantil, que pode ser desde um simples papel para desenho com giz de cera até um parque ou uma brinquedoteca, equipada com piscina de bolas, brinquedos, DVD e jogos eletrônicos. Com um pequeno detalhe: a brinquedoteca deve estar em local visível aos pais (e não no porão ou sótão).

Ah! Esqueci do cardápio infantil! Imprescindível!

Confiram no blog Pequenópolis as indicações de restaurantes para ir com crianças em Salvador.


Situação 2: Call Center noturno



Toda noite, é certo. O telefone fixo da minha casa toca várias vezes. São operadoras de cartão, telefonia, revistas... enfim, um bando de empresas inconvenientes, que só fazem irritar os clientes, ao invés de conquistá-los. Ligam em horários nada apropriados, principalmente para quem tem filhos pequenos.

A noite é o momento em que chegamos em casa, cansados do trabalho e queremos relaxar, dar atenção às crianças e, depois, colocá-las para dormir. E aí o telefone chama mil vezes seguidas. Paramos tudo que estamos fazendo para atender logo e não ficar ouvindo o barulho em casa. Do outro lado da linha, toma-lhe propaganda em nosso ouvido (bla bla bla...).

Eu sempre peço para não ligarem de novo, porque tem criança pequena em casa... Mas até hoje ligam (parece pirraça).

Situação 3: Mc Donald's



Sim, a Mc Donald's merece uma seção só para ela. Que inferno aqueles brindes que oferecem!! Eu não como Mc Donald's, meu marido tenta evitar, meus filhos só comem a batata frita. Mas o objeto de desejo está lá, estimulando nossos pequenos consumidores a quererem, de preferência, toda a coleção de brindes fajutos (em qualquer loja teria de melhor qualidade). Já pensou em comprar só o brinde? Acho que custa 80% do preço do kit completo! Escapar do fast food está difícil... Haja sanduíche!

Situação 4: criança cliente



Eu acho importante estimular a criança a pedir o que quer em uma loja, a perguntar o preço, a se virar sozinha (com a gente por trás, é claro!)

O problema que eu sempre vejo acontecer é que parece que os vendedores não enxergam as crianças. E isso significa que não estão atentos. Ou que não dão importância a esses pequenos grandes consumidores.



Moral da história: quem quiser ter diferencial e vender mais deve mimar esses pequenos grandes clientes!



terça-feira, 13 de setembro de 2011

O que seu filho quer ser quando crescer


Toda criança sonha no que quer ser quando crescer. Meu filho já sonhou em ser cozinheiro, mecânico, médico, engenheiro e dono de locadora (se este trabalho existir até lá).

Um certo dia, voltando de carro para casa com o pai, ele reparou no caminhão de lixo que estava na sua frente. Era um grande caminhão com 3 homens pendurados no fundo, vestindo macacões coloridos, bastante animados, conversando, saltando e subindo no caminhão em movimento, jogando sacos grandes no fundo.

Observando toda a animação do trabalho, ele perguntou ao pai:

- "Pai, como é o nome de quem carrega o lixo?"

O pai respondeu:

- "Lixeiro, meu filho"

- "Ah... então eu quero ser lixeiro quando crescer!"

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Sobra tempo pra mãe?




Quando a gente tem filhos meninos, pensa que uma das grandes vantagens é que os meninos são práticos pra se vestir e, com isso, sobra tempo para a mãe se arrumar.

Comigo não é bem assim! Sou eu que escolho a roupa dos meus filhos (meu marido não entende a diferença entre "roupa de dentro de casa" e "roupa de sair") e a babá, apesar de já saber essa diferença (foi bem treinada) ainda não sabe adivinhar o modelo que eu gostaria que eles usassem!

Além disso, muitas vezes, enquanto o pai fica ocupado com milhões de coisas, parece que essa é uma tarefa da mãe, independente de suas outras ocupações: dar banho... e vestir... e calçar os sapatos... e pentear... etc. No meu caso, multiplicado por 2! Quando a gente percebe, está em cima da hora e não sobrou tempo!

Não é fácil para uma mulher escolher que roupa usar. Os cabelos compridos tomam nosso tempo para lavar e pentear. Não podemos esquecer dos acessórios. E ainda tem que sobrar tempo para a maquiagem, por mais simples que ela seja.

E só mais um detalhe pequenininho... criança não pode esperar! Porque se ela estiver pronta e com tempo livre, você já imaginou quanta coisa pode acontecer?

  1. Tirar os sapatos
  2. Decidir comer ou beber e se sujar
  3. Brincar tanto até suar
  4. Brigar com o irmão e chorar
  5. Ficar com sono
E por aí vai...

Portanto, quem tem na cabeça que mãe de menino tem essa vantagem, está redondamente enganado. O tempo não está a nosso favor.

Mas talvez essa seja a lição: aprender a não perder tempo pra sobrar mais tempo para os nossos pequenos admiradores. Eles nos acham lindas de qualquer jeito!

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Grito de Independência


A pressa das mães é inimiga da independência dos filhos. Isso mesmo! Quem é mãe de crianças pequenas, normalmente com tantas tarefas para fazer, termina fazendo pelo filho também, pra ser mais rápido.

Para entender melhor, leiam os 4 exemplos que selecionei.

Exemplo 1: se vestir

Na pressa pra sair de casa, nem lembramos que nosso filho deve aprender a se vestir sozinho. A gente termina fazendo todo o trabalho, inclusive correndo atrás dele para colocar roupa e sapato. Na verdade, a gente devia esperar a criança tentar sozinha e ajudá-la apenas quando necessário. Mas na correria do dia-a-dia (e também na do final-de-semana!), não é bem assim que acontece.

Exemplo 2: almoço e jantar

A criança já sabe comer sozinha ou está aprendendo. Mas está devagar, distraída ou não quer comer tudo... Quem é que resiste a pegar a colher e dar na boca?? Só que isso termina virando rotina e a criança se acostumando a apenas abrir e fechar a boca e você, a segurar a colher!

Exemplo 3: escovar os dentes

Mais uma vez, na pressa, terminamos por escovar os dentes dos nossos filhos. Mas a criança pode e deve escovar sozinha, com a instrução dos pais sobre os movimentos que deve fazer com a escova. Depois, nós  fazemos a "revisão", escovando tudo de novo. Uma vez de cada!

Exemplo 4: subir e descer escadas

Pra ser mais rápido, a gente tende a carregar bebês e crianças pequenas no colo, ao invés de deixá-las treinar as subidas e descidas com suas próprias perninhas. Mas escadas são perigosas e estarão sempre no caminho das nossas crianças. Por isso toda oportunidade é importante para a gente ensiná-las a subir e descer. E quando elas sobem e descem escadas (supervisionados e/ou de mãos dadas), elas percebem as dificuldades pelo tamanho das suas perninhas e vão se adaptando a elas.



--------------------------------------



Se a gente não se ligar nesses pequenos exemplos do dia-a-dia, o tempo vai passando e aquela criança crescida fica dependente dos pais. Não se veste sozinha, não come sozinha, não escova os dentes sozinha e não sobe nem desce escadas.

É claro que cada criança aprende a seu tempo, mas a questão aqui não é ela saber fazer, mas tentar fazer com o estímulo dos pais. E muito além da capacidade da criança é a dedicação dos pais, não em fazer as coisas pelo filho, mas sim em ver ele fazer sozinho.

Também não é para largar a criança sozinha, porque dessa forma ela não vai se interessar em aprender. Tem que continuar junto, assistindo, estimulando, ajudando.

Por isso, vamos parar para ver no nosso dia-a-dia o que podemos fazer para estimular a independência e o aprendizado dos nossos filhos. Devagarzinho, nós e eles chegaremos lá!

domingo, 4 de setembro de 2011

Dica de leitura: Mãe de Dois


Hoje vou dar uma dica para as mães que gostam de ler (ou até para as que não gostam). O nome do livro é Mãe de Dois, escrito pela jornalista Maria Dolores.

O livro parece uma novela (no bom sentido da palavra), em que a gente fica ansiosa aguardando os próximos capítulos. Ela escreve como se fosse um diário, contando casos e histórias durante os nove meses em que esteve grávida do seu segundo filho.

É fácil se tornar íntima de Maria porque, nas 262 páginas do seu livro, conhecemos a sua vida e é como se tivéssemos nos tornado sua amiga. Toda mãe deve se identificar um pouco com as situações por quais ela passou. E Maria conta com muita espontaneidade e graça, nos proporcionando divertimento, risadas e emoções.

Este livro se originou do blog Mãe de Dois, que ela decidiu escrever quando engravidou e parou de postar logo após o nascimento do bebê devido à falta de tempo (que todas nós mães entendemos perfeitamente).

O resultado saiu bem legal, porque ao contrário do que vocês podem imaginar, Maria não fala do crescimento do bebê em sua barriga nem fica informando sobre o seu desenvolvimento semana a semana. Maria fala do seu dia-a-dia com a família, a casa, o trabalho e diversas situações que uma mulher moderna passa.

Tudo isso com muito bom humor!


Meu agradecimento especial à minha leitora e melhor amiga que me presenteou com este livro e escreveu uma dedicatória linda!