segunda-feira, 30 de maio de 2011

Festa do Pijama



Sábado à noite a balada é certa. Tem Festa do Pijama rolando pela madrugada. Se você nunca foi convidado, levante as mãos para o céu. Parece divertida, mas não é qualquer um que agüenta.

Na Festa do Pijama, quem dá o ritmo é o bebê e você é obrigado a entrar na dança, senão os decibéis vão às alturas. E é em plena madrugada que seu pequeno DJ testa todas as suas vontades:

Com papai!
Com mamãe!
Gagau!
Colinho!
Na cozinha!
Na sala!
Em pé!
Deitado!

Tudo entra na sua coreografia.

O sono é tão forte e o cansaço é imenso que, como sonâmbulos, só fazemos obedecer, na tentativa de conseguir tranqüilidade. O fato é que de madrugada não tem pai nem mãe que consiga raciocinar!

Não sei quem foi o guru que inventou que se educa de madrugada. Existem varias técnicas para fazer seu filho dormir bem e que orientam como proceder para ajudá-lo a pegar no sono sozinho. Para conseguir essa façanha, afirmam que os pais precisariam perder umas 2 ou 3 noites até ele acostumar. Já é difícil perder uma noite, quem dirá sem confiar nessas promessas!

Já li de tudo nessa área e basicamente o que orientam é deixar o bebê chorar por alguns minutos (imagine quem divide o quarto com o irmão). Depois, insistentemente, carregar o bebê, acalmá-lo e devolver para o berço, repetindo a seqüência até ele cansar. Acontece que os pais é que cansam primeiro! Mas o melhor mesmo a fazer é pegar logo seu pequeno DJ e levar para a tão desejada cama dos pais. Assim, você pode voltar a dormir mais rápido.

Rola para um lado, rola para o outro. O irmãozinho resolve aparecer na festa também. Quer garantir o seu espaço. Disputam lugar. Um quer a mãe, o outro também. Um quer o pai, o outro também. É um troca-troca de lugar e eles não podem se esbarrar. Leva um pro quarto. Não quer. Coloca o colchão no chão. Reclama. Desce o pai. Quer a mãe. Sobe o pai. Quer o pai. Quer o irmão... Querem confusão!!

No dia seguinte, o mais impressionante é que só os pais ficam de ressaca. O bebê está super disposto e pronto para a próxima!



Obs: evite convidar a babá para a Festa do Pijama. Se para os pais é difícil, vai confiar nelas? Ah! Mas as avós são super bem-vindas. De vez em quando marque a Festa na casa delas!! :)

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Dica de DVD: Galinha Pintadinha


Mãe que é mãe e pai que é pai têm que conhecer essa famosa galinha. Não adianta fazer bico porque vale a pena!!

A Galinha Pintadinha é personagem de uma coleção que tem por enquanto 2 volumes de CD`s e DVD`s. Utilizando músicas tradicionais do cancioneiro popular brasileiro, com clipes em desenhos animados, tudo é muito bem feito e criativo. Agrada tanto às crianças quanto aos seus pais.

Confira o trailer:



Muitas vezes, algumas músicas do cancioneiro popular terminam sendo esquecidas em nosso dia-a-dia e a Galinha Pintadinha faz esse resgate de forma bastante lúdica e animada, além de educativa. As crianças ficam super entretidas, cantam, dançam e decoram todas as músicas!

No volume 1, você encontrará canções como: Marcha Soldado, Escravos de Jó, Pintinho Amarelinho, A Barata, O Sapo e mais algumas.

No volume 2: Atirei o Pau no Gato, Borboletinha, A Canoa Virou, Formiguinha, Se Essa Rua Fosse Minha, dentre outras.

Visite o site http://www.galinhapintadinha.com.br/ e conheça mais! Os CD`s e DVD`s estão à venda não só pelo site oficial como também nas principais lojas de brinquedos ou livrarias. Além disso, os clipes também estão disponíveis para Iphone.

Não adianta fazer bico! Vale a pena! A Galinha Pintadinha veio para ficar! Pode ter certeza de que você e seu filho vão adorar!







Este não é um publipost.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

"Eu não 'gosti' de Coca-Cola..."


No mundo de hoje, ver crianças pequenas tomando refrigerantes, chupando pirulitos e comendo bombons é de espantar! Nos aniversários, é moda dispor de mesas só com guloseimas ao alcance dos pequenos e suco é algo muito difícil de achar. Só tem refrigerante!

Difícil seu filho escapar da tentação. Mas vale a pena tentar! Crianças que não consomem doces até os 2 anos não acostumam o paladar a este sabor e tendem a não gostar de doces. E melhor! Os doces não farão falta em suas vidas, já que se acostumaram assim. Portanto, é difícil entender que, com tanta informação hoje em dia, as pessoas ainda deixem isso acontecer.

Consegui com meu filho mais velho que ele não experimentasse refrigerante (apesar de toda hora alguém querer oferecer). Um belo dia, ao voltar de um passeio da escola aos 2 anos, perguntei como foi o lanche e ele respondeu: "Eu não gosti de Coca-Cola..." (assim mesmo que ele falava!).

Fiquei em estado de choque! Ofereceram refrigerante ao meu filho!!!!! Depois, me aliviei: que bom que ele não gostou! Passou no teste!

terça-feira, 24 de maio de 2011

Cuidado: anjinho bravo!



O que você faz se o seu anjinho na escola resolve bater ou morder? É claro que as mães das vítimas ficarão chateadas e, acredito, logo duvidarão da sua educação e autoridade.


Mas nem sempre a criança (pequena) que faz isso é mal educada! Ela apenas está aprendendo a se socializar e testando os seus limites.  E esta é a hora da super mãe entrar em ação, porque não é fácil dar bronca em um anjinho. Como conseguimos olhar para aquela coisa fofa sem ter vontade de apertar e beijar as bochechas?


Mas a gente também não quer ver cara feia das mães dos coleguinhas nem tampouco evitar ir às festinhas pra não correr o risco do nosso anjinho virar fera lá! O jeito é rezar pra essa fase passar depressa. Vamos confessar, dois  anos é uma idade difícil de educar...


O pior é quando o anjinho confessa: " Eu batei...", se achando o valentão e ainda lista os nomes das vítimas. Pior ainda é ele já saber que tem que fazer carinho depois...


O importante é não valorizar essa valentia, como já vi muitos pais fazendo por aí. O importante é não dar esse exemplo. O importante é não desistir de educar e de impor limites.


Uma hora eles aprendem e nos surpreendem.


E nossos anjinhos vão distribuir carinho e gentileza por aí...

domingo, 22 de maio de 2011

Filhos Amigos Gêmeos

Eu e minha melhor amiga sempre quisemos ter filhos amigos gêmeos. Traduzindo: ter filhos da mesma idade, na mesma época, para que crescessem juntos, brincassem juntos e fossem colegas de escola.

Ela casou muito antes e nunca quis ser a primeira e única mãe da turma. Daí ficava perguntando meus planos para se programar também. Achava tão bonito e engraçado que resolvi entrar na brincadeira. Mas deixei bem claro desde o início que podia não dar certo.

Resultado: engravidei primeiro e ela depois de 10 meses. Muito bom! Dois meninos! Mas por pouco não foram da mesma turma da escola. E a gente queria amigos gêmeos, lembra?

Os meninos foram crescendo. Eu sempre quis ter outro. A minha amiga queria só um e eu insistia. Sem planejar, ela engravidou antes de mim. Eu, 3 meses depois. Maravilha! Conseguimos mais uma vez! Vamos ter filhos amigos gêmeos! Dois meninos novamente. E, até que enfim, estes serão colegas de escola. Nosso sonho vai se realizar.

Os meninos cresceram e, na época de ir para a escola, uma notícia triste, para não dizer frustrante: o ano letivo alterou o mês de corte de entrada, que antes era até junho para março. O filho da minha amiga nasceu em janeiro. O meu, em abril. Por 17 dias eles serão separados de classe. Um será mais adiantado que o outro.

Tentar acertar no terceiro? Não está nos nossos planos, não. Mas já deixei avisado: se ela quiser ter mais um, eu não vou ficar pra trás. Pode parecer loucura de mães amigas, mas seria um sonho muito gostoso de realizar. Colegas não conseguimos, mas amigos serão para sempre, como nós.

domingo, 15 de maio de 2011

O bê-a-bá das babás

Devemos entender que cada um de nós foi criado de uma maneira e tem seus próprios hábitos e suas próprias crenças. Independente de quem está certo ou errado, você - mãe - quer fazer tudo do seu jeito. Mesmo trocando idéias com amigos e parentes, cabe à mãe as decisões finais. Mas quando você se ausenta e deixa alguém tomando conta do seu filho, deve redobrar a atenção com os acontecimentos do dia-a-dia, pois podem existir "lógicas invertidas". Confira os exemplos abaixo e entenderá!!

EPISÓDIO 1: hábitos de higiene

Por alguns dias, depois de meu filho ter largado as fraldas, fiz blitz surpresa no banheiro e descobri que a babá primeiro limpava com o papel higiênico, depois com o chuveirinho! Eu expliquei que a limpeza deveria ser feita com a água e depois o papel apenas para secar. O papel deveria sair limpo. Depois desta situação, fiquei de olho na lavagem das mãos (sou neurótica com bactérias). Observei que ela lavava as mãos dele, mas não as próprias! Por alguns dias tive que fiscalizar e relembrar estes hábitos. Até hoje fico preocupada e sempre que estou presente prefiro eu mesma acompanhar meu filho no banheiro.

EPISÓDIO 2: banho

Uma semana depois de ter comprado um novo shampoo, quando cheguei em casa meu filho estava no banho e fui vê-lo. A babá ensaboou o corpo e depois passou o condicionador. Achei que não tinha observado direito e perguntei se já havia utilizado o shampoo. Ela disse que o que eu havia comprado deixava os cabelos crespos e não estava utilizando. Eu me espantei: os meninos estão há uma semana sem lavar os cabelos??

EPISÓDIO 3: uso do termômetro

(sem dúvida o mais grave)
Obs: meu filho devia ter mais de 2 anos quando descobri!!

Uma certa vez, meu filho estava com febre. Tirei sua temperatura e devolvi o termômetro à babá. Ela pegou do lado do mercúrio e até balançou para baixar a marcação. Eu comentei que não se podia pegar daquele lado, pois naquele local ficava armazenado o mercúrio. Terminei descobrindo que ela tirava a temperatura do lado errado do termômetro. Pelo visto, os filhos dela nunca tiverem febre...

Os três episódios foram casos verídicos e mostram que situações como essas podem acontecer em nosso dia-a-dia, sem a gente saber. Por isso, devemos acompanhar, perguntar e ensinar o Bê-á-bá às babás.

Obs: gostaria de ressaltar que mesmo com esses episódios isolados, a babá dos meus filhos é ótima e tem muitas qualidades.

sábado, 14 de maio de 2011

DICA: registros médicos

Quando vamos ao médico, ele sempre pergunta nosso histórico de saúde e muitas vezes não conseguimos lembrar! Doenças que já tivemos, alergias, vacinas e outras situações.

Para evitar isso, vamos organizar o histórico dos nossos filhos desde o nascimento. Vai ajudar muito nas nossas consultas médicas, pois é difícil memorizar todas as doenças e as últimas vezes que administramos antibiótico, por exemplo!

Essa idéia também é ótima para lembrarmos os medicamentos que utilizamos em determinadas situações, como machucados, resfriados, quedas, etc. E além disso devemos lembrar também que as receitas de antibióticos ficam retidas na Farmácia.

Vejam como é simples! Vocês podem criar uma planilha em excel contendo as seguintes colunas:



DATAMÉDICOESPECIALIDADESINTOMASRECEITAENCAMINHAMENTOS



Sugestão: uma planilha para cada ano.

A planilha deve ser atualizada a cada ida ao médico para que esteja sempre em dia e você não desista de fazer por conta do acúmulo.

Se gostar da idéia faça para você também!

Por fim, vamos torcer por poucas linhas!!!

Obs: esta dica foi realmente de mãe para mãe, pois aprendi com a minha mãe!

domingo, 8 de maio de 2011

Dia das Mães


Feliz pelo Dia das Mães, Feliz por ser Mãe! Tem coisa melhor no mundo?

Ser mãe é experimentar o máximo do amor. Ser mãe é se multiplicar em outras vidas. Ser mãe é ter um verdadeiro e valioso sentido para existir. É se apaixonar todos os dias pela sua cria.

Tem um momento que a gente sabe que chegou a hora, que a vontade de ser mãe fica forte demais. A gente vê as famílias sendo construídas por aí e quer ter a nossa também. Chega uma hora que todo mundo se concentra no seu mundo, se volta para sua família.

Qualquer divertimento é passageiro. O que fica é a família que você construiu. Viagens, festas, presentes, compras... Tudo é pequeno demais, tudo acaba um dia... E uma hora você vai buscar a sua família também.

A maternidade é uma benção. A família é uma união sagrada, é o sentido de viver, é quem estará realmente junto de nós: na alegria e na tristeza, na saúde e na doença e por toda a nossa vida.

Não deixe passar essa oportunidade.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Parto do princípio

Toda mulher tem medo do parto. E aí? O que fazer se queremos tanto ter filhos? Não há escapatória. Esta é a verdade. Para conseguir o que tanto queremos, temos que passar por esse sacrifício. O jeito é não pensar e deixar acontecer. Afinal, para ser Mãe temos que passar por isso, como todas as outras passaram...


O maior medo das mulheres é sentir dor e a anestesia. Quando meu médico me perguntou qual seria a minha opção, a 1a. vez eu falei "cesárea". Ele perguntou por quê e eu respondi que não queria sentir dor. Ele contestou espantado: "Mas a solução para dor não é o parto cesáreo, e sim, a anestesia". Me senti tão burra, mas ao mesmo tempo fui convencida.

Ele me explicou que a anestesia seria aplicada nos dois casos e me falou todas as vantagens do parto natural e sua recuperação.

Sempre achei ruim agendar data para o nascimento de um filho, sem necessidade. A graça é o dia surpresa, o dia que o seu corpo ou o bebê decidem.

Então, assumi o parto normal como opção e confiei que meu corpo funcionaria! O segredo foi pedir anestesia logo na chegada à maternidade. Nada de curtir a dor das contrações ou do parto. Vamos usar a modernidade ao nosso favor!

Sei das inúmeras dificuldades que cada mulher pode ter em seu parto, mas a minha intenção é que pelo menos queiram tentar.